Carneiro esmagado faz fisioterapia e ganha família adotiva


Um carneiro que foi pisoteado com apenas 15 dias de vida por um cavalo perdeu os movimentos das pernas traseiras e foi rejeitado pela mãe porque não conseguia andar. Porém, essa história não tem um final triste. O animal, que recebeu o nome de Bob, foi adotado por uma família de Betim, na região metropolitana de BH, e agora faz sessões de fisioterapia duas vezes por semana para se recuperar.

O tratamento só foi possível porque o carneiro ganhou a nova família. O bichinho nasceu na fazenda dos avós da auxiliar administrativa Camila Milena Martins. Sem condições de arcar com a terapia, o casal pediu a ajuda da neta, que é amiga de duas protetoras dos animais.

— Eu postei um vídeo mostrando o Bob na internet. A gente pediu ajuda e no segundo dia as meninas falaram que iriam se responsabilizar.

A psicóloga Joice Pereira acolheu o carneiro em Betim. Ela está cuidando dele há aproximadamente dois meses. Bob convive com cães, gatos, faisões, perus, galinhas e codornas. A mãe adotiva conta que cuidar dele é um trabalho difícil, mas vale a pena.

— É uma dedicação exclusiva. No início, de três em três horas ele gritava para mamar, fosse dia ou noite. Ainda assim o progresso dele é muito significativo para mim e meu marido.

Quando chegou na casa da nova família, Bob tomava quatro litros de leite por dia e usava até frauda. Atualmente, ele mama um litro e meio e come ração. O gasto chegou a R$ 1.500 reais.

Joice e seu marido receberam a ajuda de veterinários para curar Bob. Ele passou por sessões de laserterapia, ultrassom terapêutico, sinesioterapia na bola e hidroterapia. Todos achavam que o bicho tinha fraturado a coluna, mas os exames provaram que houve uma compressão no nervo ciático. O progresso do carneiro deixa os veterinários animados, como ressalta a fisioterapeuta Brenda Costa Silva.

— Ele tinha o quadril todo torto e uma lesão na coluna, mas isso já está se revertendo. Ele vai ser um animal normal.

De acordo com Joice, a intenção é que Bob volte a andar e seja levado para o Mantenedor Viver Bem, em Betim, onde vários animais silvestres com problemas de saúde são tratados.

Fonte: 
http://noticias.r7.com/